Estado

“Queremos levar ao interior uma estrutura de médicos especialistas”, garante Caiado em Congresso de Neurocirurgia

Governador lembrou que as primeiras policlínicas entram em operação próximos meses e pediu apoio da classe médica para reduzir fila de espera por cirurgias

O governador Ronaldo Caiado destacou a importância de regionalizar o acesso à saúde de qualidade no Estado durante a abertura do VII Congresso Goiano de Neurocirurgia (CGN) e do Congresso Neurovascular do Centro-Oeste (Connecta Brasil 2019). Os eventos seguem até o próximo sábado (18/5), no Hotel Clarion Goiânia Órion, com a participação de neurocirurgiões de renome nacional e internacional, assim como palestrantes que apresentarão casos clínicos editados e o que estão fazendo em seus serviços de origem.
“Queremos levar para o interior uma estrutura de médicos especialistas, qualidade nos exames e uma anamnese perfeita, de uma capacidade de nos interiorizarmos a saúde, para não recebermos os nossos pacientes em estado terminal ou graves”, afirmou o governador, que previu para os meses de junho e julho a inauguração das primeiras policlínicas em municípios do Nordeste, Norte e Vale do Araguaia.
O governador detalhou o estado crítico em que se encontra a saúde pública no interior, situação que taxou de “inadmissível”. “Uma pessoa no Nordeste goiano precisa andar 700 quilômetros para ter acesso a um leito de UTI. O cidadão de Campos Belos tem que andar 400 quilômetros para fazer hemodiálise. São situações inaceitáveis. Pretendemos ampliar o atendimento à saúde em 17 policlínicas muito bem distribuídas pelo Estado, para que as pessoas possam ter o controle de doenças crônicas em sua localidade, ao passo que casos mais graves serão encaminhados para hospitais de referência de média e alta complexidade”, disse.
Caiado afirmou que tem determinado ao secretário Estadual de Saúde, Ismael Alexandrino, total empenho para proporcionar melhores condições de trabalho aos médicos do interior. O governador completou, dizendo-se defensor da carreira de Estado. “É uma ótima oportunidade, especialmente para que os médicos mais jovens possam ir para o interior, fazer concurso público federal, ter um plano de carreira e aposentadoria digna.”
O   presidente do VII CGN e da Sociedade Goiana de Neurocirurgia (SGN), Lórimer Carneiro, analisou que os problemas de gestão pública não afetam todo o País e se colocou à disposição para ajudar a desenvolver a especialidade no Estado. “Estamos em apoio com o governo, apoiando a políticas de saúde do governo. Ronaldo Caiado, nosso governador, que é médico, tem uma vivência importante e nós acreditamos que a saúde no Estado terá uma elevação no seu nível”, concluiu. O pedido de apoio foi reiterado pelo governador. “Os que puderem dar as mãos, que ajudem o Estado de Goiás a diminuir uma fila de 50 mil de pessoas à espera de cirurgias. Precisamos de, rapidamente, dar um final a esse passado trágico que nós recebemos”, solicitou Caiado.
Inovações
A cada ano, o Congresso Goiano de Neurocirurgia (CGN) apresenta novidades em técnicas e tratamento em neurocirurgia envolvendo as doenças da coluna vertebral e do crânio. Pela primeira vez, o evento é realizado concomitantemente ao Connecta Brasil 2019, que traz as mais novas técnicas e materiais de tratamento endovascular dos aneurismas e malformações artério-venosas do sistema nervoso central e no tratamento do AVCI.
“Este encontro é de extrema importância também para fortalecimento da nossa Sociedade, garantindo a união dos neurocirurgiões do nosso Estado. Temos o orgulho de estar desenvolvendo esse trabalho na presidência do Congresso Goiano de Neurocirurgia, em conjunto como Dr. Elias Rabahi, que é o presidente do Conecta Brasil 2019, e claro, o enorme prazer de ter o governador Ronaldo Caiado presente”, salientou Lórimer Carneiro.
Um dos principais temas desta edição é o acidente vascular cerebral (AVC), que conforme dados dos do Ministério da Saúde, é a segunda maior causa de morte no Brasil. A cada ano, das 400 mil pessoas diagnosticadas com a doença, 100 mil morrem, sendo o mais comum no Brasil, o AVC isquêmico, com 85% dos casos registrados. Considerada uma doença crônica não transmissível, o AVC pode ser evitado com hábitos de vida saudáveis e possui tratamento em médio e longo prazos.
“Focaremos na atualização de conceitos e condutas trazidos por profissionais experientes e primaremos por um programa extremamente interessante para todos os neurocirurgiões, independente da subespecialidade exercida”, afirmou o presidente do Connecta 2019, o médico Elias Rabahi, que acrescentou que esta é uma “grande oportunidade de interação e trocas de experiências”. Fonte: Assessoria do Governador / Foto: Cristian Ark​

Related Articles