Aparecida de Goiânia

Começa o Desafio Aparecida em Boa Forma e população recebe incentivos para perda de peso

Para tornar mais saudável a vida das pessoas que vivem em Aparecida, a Prefeitura lançou na manhã deste sábado, 30, um programa que oferece a prática regular e monitorada de atividades físicas e o acompanhamento nutricional, médico e psicológico aos participantes. A abertura do Desafio Aparecida em Boa Forma ocorreu na Escola Municipal Jardim Olímpico II, reunindo a comunidade escolar que está com excesso de peso e que aceitou a ideia de mudar de vida, com foco na saúde. O projeto pretende fazer do município um exemplo de conscientização e de prevenção às doenças crônicas.

Idealizador da proposta, o prefeito Gustavo Mendanha, que nos últimos meses eliminou mais de 30kg por meio de atividade física e reeducação alimentar, prestigiou o evento, falou sobre sua experiência, conversou com os participantes e ainda suou a camisa na aula de zumba que foi ministrada nesta manhã. “É preciso aprender a cuidar da nossa saúde. Esse um dos investimentos mais importantes que podemos fazer. Há apenas alguns meses eu costumava ir ao médico mensalmente por conta de problemas como pressão alta, dores de cabeça, nas articulações e na lombar. Tudo isso me fez despertar para uma mudança de hábitos que transformou minha qualidade de vida. Agora, quero incendiar essa cidade com boas práticas. O Aparecida em Boa Forma assume esse desafio”, pontuou.

Para o prefeito, o Desafio completa os pesados investimentos do município na área da saúde: “Construímos o Hospital Municipal, o Centro de Diagnósticos e Especialidades, Unidades de Pronto Atendimento e de Atenção Primária, além de investir em nossos profissionais. Mas, para além disso, é muito importante investirmos em conscientização. Eu estou dando o exemplo”.

O secretário de Saúde, Alessandro Magalhães, também participou do lançamento e explicou como o Aparecida em Boa Forma pode refletir na vida da população: “Nós pretendemos criar a cultura do cuidado e da prevenção, evitando assim que os pacientes tenham que se internar e que tenham problemas de AVC, de derrame ou infartos. É um projeto que pode ajudar a diminuir a demanda por UTI’s, que atualmente é um dos maiores problemas do Sistema Único de Saúde. Estou muito empolgado!”.

Para Bruna Aniele Cota, uma das responsáveis pelo projeto e que é coordenadora de Agravos e Doenças não Transmissíveis de Aparecida, um dos benefícios que se espera alcançar é justamente a redução custos do sistema. “Uma vez que a pessoa está com o peso em dia e com hábitos alimentares saudáveis, ela terá mais saúde. O Aparecida em Boa Forma é voltado a quem já está com obesidade, colesterol elevado e pressão alta. Mas também, por estar dentro das escolas, dissemina  informações para as crianças e toda a comunidade escolar”.

Participação da população

Terezinha Evangelista Rosa, que trabalha como merendeira na Escola Municipal Jardim Olímpico II, acredita que o projeto trará mais qualidade de vida a ela e a todos os inscritos. “Qualquer exercício que eu faço já me provoca cansaço e meu trabalho exige bastante. Fico sempre ofegante. Acho que vai melhorar muito minha qualidade de vida”, afirmou.

Outra participante do Desafio, Joana Nascimento, moradora da região, acredita que a realização de exercícios não é mais questão de estética, mas de saúde. “Foram várias visitas médicas e o questionamento era sempre o mesmo: se eu fazia alguma atividade física. Era vergonhoso responder que não. Agora terei uma equipe multidisciplinar me auxiliando, gratuitamente, em meus objetivos”, festejou.

A professora Alessandra Nascimento, de 44 anos, não perdeu a oportunidade de ganhar mais saúde, acompanhada da equipe multidisciplinar: “Agora vou dar mais um bom exemplo aos meus alunos. Temos muitas crianças com sobrepeso e pais também. Espero poder incentivá-los”.

O projeto

O Aparecida em Boa Forma oferece atividades supervisionadas por professores de educação física, em escolas municipais, duas vezes por semana, no período noturno. Profissionais de saúde, como médicos, enfermeiros, nutricionistas, psicólogos e fisioterapeutas realizam o acompanhamento dos participantes durante três meses, período de duração de cada ciclo do projeto, inclusive com a realização de exames específicos. A princípio, foram oferecidas 25 vagas aos pais e responsáveis pelas crianças matriculadas na Escola Municipal Jardim Olímpico II. Eles foram selecionados ao longo desta semana. Nos próximos meses, novos grupos serão formados em outras instituições. O projeto também prevê atividades abertas ao público, tais como caminhada, corrida e aulas de dança, em diversos pontos da cidade. Fonte: Frederico Noleto1

Related Articles